Alimentação nas diferentes fases da vida
Tempo seco e as Doenças de Inverno.
Doença Renal Crônica: problema de saúde pública
Ultrasson Intra-coronária
Equipe obtém sucesso em caso raro de Aneurisma de Coronária






 


ULTRASSON INTRA-CORONÁRIO

Tecnologia e precisão em procedimentos intervencionistas

O Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Hospital Regional do Vale do Paraíba está equipado com o i-lab, equipamento de ultrassom intravascular de última geração que além de captar imagens de alta resolução conta ainda com o recurso de histologia virtual.

O ultrassom intravascular ou intracoronário é um método invasivo de imagem que pode ser realizado durante o exame de cateterismo cardíaco diagnóstico ou durante uma angioplastia coronária, obtendo imagens do interior das artérias. Ele é o único recurso diagnóstico que pode mostrar com detalhes a parede das artérias (coronárias, aorta, etc) e suas alterações. Desta forma, quando detectamos pelo cateterismo as obstruções, causadas por placas de gordura e\ou coágulos (trombos) nas coronárias, podemos, utilizando o ultrassom, enxergar com precisão estas placas, o quanto elas obstruem a artéria, sua extensão e do que ela são compostas.

O equipamento de ultrassom traz recursos que nos permitem medir com precisão os diâmetros e as áreas de cortes transversais das artérias, a porcentagem de obstrução, a carga e o volume das placas aterosclerótica e a extensão das mesmas. Aliando-se a histologia virtual, obtemos imagens coloridas das placas de gordura que ilustram os elementos que as compõem: calcificações, fibrose, gordura, necrose, dando idéia de quanto a placa pode ser vulnerável (placas vulneráveis são as que podem com mais facilidade produzir os quadros de angina instável e infarto agudo do miocárdio).

As indicações principais do ultrassom intravascular são:

1. Avaliação de obstruções intemediárias: Lesões que ao cateterismo, nos trazem dúvidas quanto a sua gravidade, dificultando a decisão do tratamento.

2. Auxílio no implante de stents intracoronários, especialmente os farmacológicos, fornecendo-nos dados mais exatos sobre o comprimento e o diâmetro do stent necessário para a escolha do mesmo.

3. Angioplastias em tronco da coronária esquerda, promovendo o correto implante do stent impactando em redução da mortalidade dos pacientes.

4. Avaliação das reestenoses de stents.


A: Imagem da artéria coronária direita por cateterismo (coronariografia). A ponta da seta mostra ponto de obstrução que sugere presença de pequena placa aterosclerótica.

B: Imagem obtida por ultrassom mostrando o corte da coronária no ponto da obstrução mostrando placa aterosclerótica excêntrica e importante.


Imagem do ultrasson com histologia virtual mostrando em cores a composição de uma placa aterosclerótica (placa de gordura). Abaixo descrevemos o que representa o código de cores. No caso acima trata-se de uma placa mista (que contém todas as cores).

Áreas em cor verde-escuro: áreas de fibrose

Áreas em cor verde-claro: áreas fibro-lipídicas (fibrose e gordura)

Pontos em branco: pontos de calcificação

Pontos em vermelho: pontos de necrose


Dr. Marcelo J. C. Cantarelli
Doutor em Medicina pela UNIFESP
Diretor administrativo da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista.
Responsável Técnico pelo Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Hospital Regional do Vale do Paraíba.

 

 
Hospital Regional do Vale do Paraíba - Todos os Direitos Reservados - Resolução 1024x768
 
Avenida Tiradentes, 280 - Jardim das Nações, Taubaté /SP - CEP: 12030-180 - Taubaté/SP - Telefone: (12) 3634-2000